Diário de Viagem – Buenos Aires (Parte III)

E aqui está mais um post sobre a minha viagem para Buenos Aires em dezembro do ano passado. Os links para os posts anteriores estão no final do post.

Dia 04

No dia 04 da viagem, o dia 22 de dezembro, era aniversário do Pedro. Começou chuvoso, então aproveitamos a manhã no hotel até o tempo firmar, o que ocorreu próximo ao meio dia. Decidimos, então, sair para almoçar e o escolhido foi El Sanjuanino, um bodegón que serve as empanadas mais famosas de Buenos Aires, dica da minha super amiga Simone.

Vou dizer pra vocês, que se não fosse a indicação dela eu não iria almoçar nele, se estivesse passando ali pela rua, pois a fachada é meio duvidosa, mandando um sincerão. Sei lá, o lugar tem um jeitão super antigo, que pode parecer um pouco brega, mas que no fim conquista por ser aquele tipo de lugar aconchegante, que atravessa gerações mesmo, com estilo bem portenho.

posadas-local-sup1 posadas-local-inf

E as empanadas… Nossa, eram uma delícia mesmo! Até me rendi a Quilmes, famosa cerveja argentina com quem eu tinha uma treta hahahaha.

23

O El Sanjuanino possui 3 filiais e nós fomos na da Recoleta, a mais famosa (famosa mesmo, tinha gente do mundo todo saindo e chegando), que fica na Calle Posadas, 1515.

Depois de comer bem, decidimos ir andando até o bairro de Palermo, onde fica um conjunto de parques e áreas verdes chamado de Parque Tres de Febrero, mais conhecido como Bosques de Palermo.

Passamos pela Universidade de Direito de Buenos Aires…

1

E pelo monumento chamado Floralis Generica, que é uma escultura metálica feita pelo arquiteto argentino Eduardo Catalano, em homenagem às mulheres e doada à cidade.

2

A flor possui um sistema hidráulico de abertura e fechamento que ocorre com a luz solar. Ela abre pela manhã e se fecha ao pôr-do-sol. Pelo menos deveria, mas como disse a guia no nosso passeio panorâmico, nada melhor que ela para homenagear as mulheres, pois não obedece e abre e fecha quando quer, se manda sozinha, é dona de si… hahaha

Nossa primeira parada foi o Jardim Japonês, que é um lugar lindo e calmo no meio da cidade.

3

É um passeio muito legal! Dá vontade de ficar lá sentada lendo um livro. E dentro do jardim tem um restaurante japonês que ouvi falar muito bem, mas que não conhecemos por ter almoçado havia pouco tempo.

4 5

A entrada do Jardim Japonês custa 70 pesos por pessoa.

Depois, fomos ao Paseo Rosedal, que fica ali pertinho.

7

O Rosedal é um jardim maravilho, que conta com mais de 18 mil rosas separadas por espécies diferentes.

10 11 12

É muito lindo de se ver e vocês não conseguem imaginar o aroma inebriante que toma o lugar conforme vai entardecendo… Sério, gente, queria muito um perfume com aquele cheiro!

Saindo dali, pegamos um táxi para o hotel, pois já estávamos mortos de tanto andar… hahaha

Chegando lá descansamos e nos arrumamos para comemorar o aniversário do Pedro com um jantar no restaurante que ele amou, o Patagonia Grill.

13

A comida estava maravilhosa (devo dizer que não lembro o que pedimos) e ainda ganhamos uma aula de como apreciar nosso vinho de verdade com o maître, que foi um querido com a gente.

Já indiquei uma vez, mas indico novamente porque realmente é bom: o Patagonia Grill fica na Av. Alicia Moreau de Justo, 1744, em Puerto Madero.

O restaurante tinha vista para o rio e a noite estava linda…

14

Dia 05

Como a gente não para, no dia seguinte fomos andar mais um pouco pela cidade.

Passamos pelo Congresso Nacional da Argentina…

15

16

Gente, que construções nessa cidade!!!!!!!!

E fomos visitar uma livraria. Mas não é qualquer livraria, é El Ateneo Grand Esplendid.

17 18

Considerada a segunda mais bonita do mundo, a livraria fica em um antigo teatro, na  Av. Santa Fe, 1860. Vale a visita com certeza absoluta! Comprei uma edição de O Pequeno Príncipe em espanhol, mas mesmo que você não compre nada, vale a pena ir admirar… hahaha

Em seguida, acabamos passando na Winery para comprar uns vinhos a caminho de volta para o hotel, o que fizemos caminhando, a fim de nos arrumar para almoçar.

O nosso almoço foi no restaurante da parrilla mais famosa de Buenos Aires, o La Cabrera, que possui três endereços, todos na Calle Cabrera. A gente foi no La Cabrera Norte, que fica na Cabrera, 5127. Até tinha feito uma reserva pelo site, mas acabamos perdendo a hora. Recomendo que seja feita, viu, pois tivemos que esperar, já que vive lotado. E se fizer, chegue na hora, pois não há tolerância.

19

Nosso pedido foi um kobe beef, que é extremamente famoso e por aqui é MUITO caro, mas lá estava com um preço bacana, então aproveitamos para experimentar e, olha, foi a melhor carne que já comi. Com uma faca de mesa você corta, de tão macia! E o sabor? Maravilhoso! Recomendo demais!

Ali pertinho fica a Villa Crespo, que é um lugar de comércio onde se encontram muitas lojas e, principalmente, outlets de marcas famosas e também argentinas. Vi em muitos lugares que já foi mais barato e, é claro, tem que pesquisar bastante, mas no geral dá pra fazer boas compras, em especial das marcas nacionais e artigos em couro.

fotos-Buenos-aires 130

Foto retirada da internet

aguirre

Foto retirada da internet

Morri numas bolsas lá, lindas, de qualidade inegável e com preço ótimo, mas acabei não comprando porque não estava precisando.

Depois de tanto andar, voltamos para o hotel moídos! hahaha

Descansamos um pouco e resolvemos ir até o mercado, mas não pudemos, pois acabou a luz enquanto estávamos no elevador com um casal de tailandeses. Eu não gosto de elevadores, então fiquei apavorada com a situação! Nossa, entrei em pânico, minha pressão baixou… Foi horrível! E li que é uma coisa que acontece às vezes na cidade no verão, pois a quantidade de moradores e turistas usando a energia, cai mesmo, já que é meio insuficiente o fornecimento.

No fim das contas o pessoal do hotel foi muito solícito, me atendeu muito bem e até perguntaram se eu precisava de um médico, mas eu fui melhorando. A pressão subiu, mas fiquei com enxaqueca, então precisei tomar remédio e dormir um pouco.

Acordei em cima da hora de sair! Só deu tempo de tomar uma ducha, me arrumar daquele jeito e correr (Pedro disse pra dar ênfase no correr!) para o Teatro Colón, pois tínhamos ingressos para ver o balé O quebra-nozes. Chegamos em cima do laço, mas deu tudo certo e conseguimos ver o balé incrível e o teatro deslumbrante!

20 21 22

Foi realmente lindo! Não poderia ter fechado melhor a viagem!!! Dedico essa parte para a Carol, do Alfinetes de Morango!

E no dia seguinte voltamos…

Espero que tenham gostado desses posts, pois eu amei dividir com vocês! Ainda vou fazer mais dois posts, um sobre o hotel e outro com dicas gerais que eu acho válidas, tá?

Diário de Viagem – Buenos Aires (Parte I)

Diário de Viagem – Buenos Aires (Parte II)

Diário de Viagem – Buenos Aires (Parte III) – é esse!

Dicas de Viagem – Hotel Lennox (Buenos Aires) – em breve

Dicas de Viagem – Buenos Aires – em breve

Comentários no Facebook

Comenta aí...